01/12/2017 14h13 - Atualizado em 01/12/2017 14h13

Ajuricaba se prepara para mostrar experiência com plantas medicinais

Plantas medicinais



 


Ajuricaba se prepara para mostrar experiência com plantas medicinais


Promovido pela primeira vez na cidade do Noroeste gaúcho, o Seminário Municipal de Plantas Medicinais de Ajuricaba, a se realizar no dia 06 de dezembro, já está com as inscrições encerradas. O evento atrai o interesse de profissionais da área da saúde, extensionistas rurais, gestores públicos, consumidores e agricultores familiares. Aproximadamente 160 pessoas da região estão sendo aguardadas para o evento, a se realizar no Centro de Convivência, no centro da cidade.
Na quinta-feira (30/11), representantes do Grupo de Estudos em Plantas Bioativas reuniram-se no local do seminário para tratar dos últimos detalhes. Fazem parte desse Grupo agentes municipais de Saúde, Pastoral da Saúde, agricultores familiares, Apae, Emater/RS-Ascar e secretarias municipais de Saúde, Assistência Social, Agricultura e Obras.
O “relógio do corpo humano, que será um dos pontos a serem visitados durante o seminário, ganhou retoques. No local, foram cultivadas plantas medicinais associadas a determinados órgãos do corpo humano, como fígado, pulmão e coração, por exemplo. Segundo pesquisas, a eficácia do medicamento natural consiste em consumir plantas de cada grupo no horário em que o seu órgão correspondente está no ponto máximo de atividade. 

InspiraçãoO exemplo de Ajuricaba tem servido de inspiração para a área da saúde pública brasileira. Em 2015, graças a um projeto elaborado pela farmacêutica da Secretaria Municipal da Saúde, o Ministério da Saúde destinou R$ 52 mil ao município. Com o recurso foi possível comprar equipamentos, capacitar agentes de saúde e construir um horto de plantas bioativas. 
"O projeto previa que se disponibilizasse à população droga vegetal seca - malva, melissa, maracujá, calêndula e camomila -, e um fitoterápico, a castanha da índia, em cápsula", explicou a farmacêutica Cláudia Pinno.
Com receita médica, os cidadãos de Ajuricaba encontram esses medicamentos na farmácia da prefeitura. "O importante é fazer isso chegar na ponta, no usuário", disse a extensionista da Emater/RS-Ascar, Eliane Righi.
Preocupados em dar continuidade ao trabalho, o Grupo de Estudos em Plantas Bioativas motivou os vereadores a criarem uma lei que garanta às gerações futuras o acesso a esses medicamentos. A lei municipal que institui a política intersetorial de plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos foi aprovada em dezembro do ano passado.

Programação do Seminário
9h - Credenciamento 
9h30 - Abertura oficial
10h - Mesa redonda: Produção, comercialização de plantas medicinais e perspectiva de pesquisa em fitoterápicos - Doutora em Agronomia da Unicruz Jana Koefender; Doutora em Ciências da Unijuí, Christiane Colet; Coordenação: Assistente Técnica Regional Social da Emater/RS-Ascar, Silvana Canova Ritterbusch.
11h45 - Debate
12h15 - Almoço
13h30 - Mesa Redonda: Conhecendo as plantas medicinais e o relato da experiência do Grupo de Estudos em Plantas Bioativas de Ajuricaba - Pós-doutor em Biologia Molecular, Diego Golle; Farmacêutica da Prefeitura de Ajuricaba, Cláudia Pinno; Extensionista da Emater/RS-Ascar, Eliane Righi; Agente Comunitária de Saúde de Ajuricaba, Elenara Siqueira; Secretária de Saúde de Ajuricaba, Tarciana Moraski. Coordenação: Assistente Técnica Regional Social da Emater/RS-Ascar, Silvana Canova Ritterbusch.
15h30 - Debate
16 h - Coffee break de encerramento e visita guiada ao horto medicinal.



Enviar por e-mail Imprimir